Pelos cristãos perseguidos

Nas últimas semanas, a comunidade tem rezado pelos cristãos perseguidos no Iraque, forçados a abandonar as suas casas e a fugir do seu país. Ao rezar por eles, rezamos por todos os cristãos perseguidos no Médio Oriente e em todo o mundo, bem como por todos os homens, mulheres e crianças que sofrem perseguição por causa da sua fé, particularmente os yazidis, também eles no Iraque, que sofrem perseguição junto com os cristãos.

A oração de intercessão pelos irmãos e pelas irmãs perseguidas por causa da sua fé em Cristo e postos à prova na sua fidelidade ao Evangelho é a forma mais plena de comunhão e de participação no seu sofrimento. Invocamos assim o Espírito Santo para que seja o seu sustento e conforto na prova.

Tratando-se de uma longa intercessão, a oração que aqui apresentamos é indicada para a oração da tarde nas vésperas. No entanto, suprimindo o Cântico de Maria ou Magnificat, pode ser celebrada noutra hora do dia. De manhã, o Cântico de Zacarias ou Benedictus substitui o Magnificat. Os salmos sugeridos são memória da súplica e do lamento do povo de Israel ao Senhor nos dias da perseguição, da destruição de Jerusalém e do exílio. O cântico retirado da Carta aos Romanos é um hino de fidelidade ao Senhor: “Quem nos separará do amor de Cristo? Talvez a prova, a angústia, a perseguição?”. As orações de intercessão lembram o mandamento do Senhor: “Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem”.

INTRODUÇÃO

Hantai, Peinture, 1959
Hantai, Peinture, 1959

Senhor, abre os meus lábios
e a minha boca cantará o Teu
louvor.
Deus, afina o meu ouvido
para que escute a Tua palavra.

Os nossos irmãos venceram o Acusador
pelo sangue do Cordeiro
e com a palavra do testemunho
renunciaram à própria vida até aceitar a morte (Ap 12,10-11).

Glória ao Pai e ao Filho
e ao Espírito Santo
como era no princípio, agora e sempre
pelos séculos dos séculos. Ámen.

HINO

Sapremo scoprire, Signore
che tu sei presente fra noi?
Sapremo vedere l’amore
nei doni che vengon da te?

Chi può trasformare in un canto
i pesi portati nel cuore?
Tu solo il Vivente, il Santo
che accogli e salvi il dolore.

I gemiti e i pianti segreti
dal cuore risalgono al cielo
con grida di santi e profeti
diventano il cantico nuovo.

L’Agnello da sempre immolato
le lacrime asciuga dagli occhi
col vino che in croce ha pigiato
ci riempie la coppa di nozze.

O unico Amante dell’uomo
o unico Amato in eterno
o unico Amore fedele
ricevi la gloria per sempre.

Saberemos descobrir, Senhor,

Que Tu estás presente entre nós?

E nos dons que vêm de Ti

Encontrar o Teu amor?

 

Quem pode transformar em canto

os pesos carregados no coração?

Só Tu que vives e és Santo,

que acolhes e redimes a dor.

 

Os gemidos e o choro secretos

do coração ao céu sobem,

com gritos de santos e profetas

no cântico novo se tornem.

 

O Cordeiro pra sempre imolado

dos olhos enxuga as lágrimas

E com o vinho que destila da cruz

Enche o cálice das núpcias.

 

Ó único Amante do homem.

Ó único Amado pra sempre

Ó único Amor fiel sem fim

Receve a glória eterna.

SALMODIA

Ant. Quem sofre porque é cristão, dê glória a Deus por tal nome. (cf. 1 Pd 4,16)

Hantai, Mariale
Hantai, Mariale

SALMO 44 (43)
Não confio nas armas

Ó Deus, ouvimos dizer, nossos pais nos contaram * 
   as obras que fizestes em seus dias, nos tempos passados. 
Para os implantar, com vossa mão desalojastes povos; * 
   para os fazer crescer, abatestes nações.

Não foi a espada que lhes conquistou a terra, * 
   nem seu braço lhes alcançou a vitória. 
Mas sim a vossa direita e o vosso braço * 
   e a luz da vossa face, porque os amastes.

Vós sois o meu Rei e o meu Deus, * 
   Vós que destes a vitória a Jacob. 
Convosco acometemos os nossos inimigos, * 
   em vosso nome esmagámos os nossos agressores.

Não foi no meu arco que pus a confiança, * 
   nem a minha espada me deu a vitória. 
Mas Vós nos defendestes dos nossos agressores * 
   e confundistes os que nos odiavam.

A toda a hora Vos celebrávamos, Senhor, * 
   louvando sem cessar o vosso nome. 

Agora, porém, nos rejeitais e confundis * 
   e já não saís à frente dos nossos exércitos. 
Obrigais-nos a fugir diante dos adversários * 
   e os nossos inimigos podem saquear à vontade.

Entregais-nos como rebanho para o açougue * 
   e entre as nações nos dispersais. 
Vendeis o vosso povo por um nada * 
   e pouco lucrais com esta venda.

Fazeis de nós o opróbrio dos nossos vizinhos, * 
   a irrisão e o desprezo dos povos que nos cercam. 
Fazeis de nós ocasião de escárnio para os pagãos * 
   e motivo para os povos zombarem de nós.

Tenho sempre presente a minha ignomínia * 
   e a vergonha cobre-me o rosto, 
ante os gritos de insulto e de blasfémia, * 
   à vista do inimigo sedento de vingança.

Tudo isto aconteceu e não Vos esquecemos, * 
   nem traímos a vossa aliança. 
O nosso coração não voltou atrás * 
   e os nossos passos não se afastaram do vosso caminho, 
quando nos esmagastes no deserto * 
   e nos envolvestes em trevas profundas.

Se tivéssemos esquecido o nome do nosso Deus * 
   e estendido as mãos a um deus estranho, 
acaso Deus não o teria percebido, * 
   Ele que conhece os segredos do coração?

Por Vós, temos sido expostos à morte * 
   e tratados como ovelhas para o matadouro. 
Despertai, Senhor. Porque dormis? * 
   Levantai-Vos. Não nos rejeiteis para sempre. 
Porque escondeis a vossa face? * 
   Esqueceis Vós a nossa miséria e tribulação?

A nossa alma está prostrada no pó * 
   e colado à terra o nosso corpo. 
Levantai-Vos, Senhor. Vinde em nosso auxílio * 
   e salvai-nos pela vossa misericórdia.

Ant. Quem sofre porque é cristão, dê glória a Deus por tal nome. (cf. 1 Pd 4,16)

Ant. Senhor, Deus do Universo, faz-nos voltar; ilumina o teu rosto e seremos salvos.

Hantai, peinture, 1957
Hantai, peinture, 1957

SALMO 80 (79)
Visita a tua vinha

Pastor de Israel, escutai, * 
   Vós que conduzis José como um rebanho. 
Vós que estais sobre os Querubins aparecei, * 
   à frente de Efraim, benjamim e Manassés. 
Despertai o vosso poder * 
   e vinde em nosso auxílio.

Ó Deus, fazei-nos voltar, * 
   iluminai o vosso rosto e seremos salvos.

Senhor Deus dos Exércitos, * 
   até quando ardereis em cólera, 
   apesar da oração do vosso povo? 
Destes-nos a comer o pão das lágrimas * 
   e a beber copioso pranto. 
Fizestes de nós objecto de contenda entre vizinhos * 
   e os inimigos zombam de nós.

Deus dos Exércitos, fazei-nos voltar, * 
   iluminai o vosso rosto e seremos salvos.

Arrancastes uma videira do Egipto, * 
   expulsastes as nações para a transplantar. 
Preparastes-lhe o terreno; * 
   ela deitou raízes e encheu a terra. 
A sua sombra cobriu os montes * 
   e os seus ramos os cedros de Deus.

Estendia até ao mar as suas vergônteas * 
   e até ao rio os seus rebentos. 
Porque lhe destruístes a vedação, * 
   de modo que a vindime 
   quem quer que passe pelo caminho? 
Devastou-a o javali da selva * 
   e serviu de pasto aos animais do campo.

Deus dos Exércitos, vinde de novo, * 
   olhai dos céus e vede, visitai esta vinha. 
Protegei a cepa que a vossa mão direita plantou, * 
   o rebento que fortalecestes para Vós. 
Pereçam diante da vossa face ameaçadora * 
   aqueles que lhe deitaram fogo e a devastaram.

Estendei a mão sobre o homem que escolhestes, * 
   sobre o filho do homem que para Vós criastes. 
E não mais nos apartaremos de Vós: * 
   fazei-nos viver e invocaremos o vosso nome.

Senhor Deus dos Exércitos, fazei-nos voltar, * 
   iluminai o vosso rosto e seremos salvos.

Ant. Senhor, Deus do Universo, faz-nos voltar; ilumina o teu rosto e seremos salvos.

Ant. Se vivemos, vivemos para o Senhor; e se morremos, morremos para o Senhor (Rm 14,8)

Hantai , Mariale, 1962
Hantai , Mariale, 1962

SALMO 142 (141)
O meu ânimo desfalece

Em alta voz clamo ao Senhor, *
    em alta voz imploro o Senhor.
Ponho diante d’Ele a minha aflição, *
    diante d’Ele descubro a minha angústia.

Quando me desfalece o ânimo, *
    Vós conheceis o meu caminho.
  Na senda que vou trilhando, *
    esconderam um laço.

Olhai à direita e vede: *
    não há quem se interesse por mim.
Não encontro refúgio, *
    não há quem olhe pela minha vida.

Clamei por Vós, Senhor; *
    disse: Sois o meu abrigo, †
    a minha herança na terra dos vivos.

Atendei o meu clamor: *
    estou reduzido à miséria.
Livrai-me dos meus perseguidores: *
    eles são mais fortes do que eu.

Tirai-me desta prisão *
    e darei graças ao vosso nome.
Os justos hão-de rodear-me, *
    pelo bem que me fizestes.

Ant. Se vivemos, vivemos para o Senhor; e se morremos, morremos para o Senhor (Rm 14,8)

Ant. Os sofrimentos do tempo presente não têm comparação com a glória futura que será revelada em nós. (Rm 8,18)

Hantai, Etude pour Pierre Reverdy, 1969
Hantai, Etude pour Pierre Reverdy, 1969

CANTICO NT 8 - Rm 8,28-35.37-39
Quem nos separará do amor de Cristo?

Sabemos que tudo contribui para o bem
daqueles que amam a Deus,
daqueles que são chamados,
de acordo com o seu desígnio.

Porque àqueles que Ele de antemão conheceu,
também os predestinou para serem uma imagem idêntica à do seu Filho,
de tal modo que Ele é o primogénito de muitos irmãos.

E àqueles que predestinou, também os chamou;
e àqueles que chamou, também os justificou;
e àqueles que justificou, também os glorificou.

Se Deus está por nós, quem pode estar contra nós?
Ele, que nem sequer poupou o seu próprio Filho,
mas o entregou por todos nós,
como não havia de nos oferecer tudo juntamente com Ele?

Quem irá acusar os eleitos de Deus?
Deus é quem nos justifica! Quem irá condená-los?
Jesus Cristo, aquele que morreu, mais, que ressuscitou,
que está à direita de Deus é quem intercede por nós.

Quem poderá separar-nos do amor de Cristo?
A tribulação, a angústia, a perseguição,
a fome, a nudez, o perigo, a espada?
Mas em tudo isso saímos mais do que vencedores,
graças àquele que nos amou.

Estou convencido de que nem a morte nem a vida,
nem os anjos nem os principados, nem o presente nem o futuro,
nem as potestades, nem a altura, nem o abismo, nem qualquer outra criatura
poderá separar-nos do amor de Deus
que está em Cristo Jesus, Senhor nosso.

Ant. Os sofrimentos do tempo presente não têm comparação com a glória futura que será revelada em nós. (Rm 8,18)

APÓSTOLO

Da Primeira Carta de Pedro (4,12-16)

Irmãos, irmãs: 12 Caríssimos, não estranheis a fogueira que se ateou no meio de vós para vos pôr à prova, como se vos acontecesse alguma coisa estranha. 13 Pelo contrário, alegrai-vos, pois assim como participais dos padecimentos de Cristo, assim também rejubilareis de alegria na altura da revelação da sua glória. 14 Se sois ultrajados pelo nome de Cristo, bem-aventurados sois vós, porque o espírito da glória, o Espírito de Deus, repousa sobre vós. 15 Que nenhum de vós tenha de sofrer por ser homicida, ladrão, malfeitor, ou por se intrometer na vida alheia. 16 Mas, se sofre por ser cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus por ter este nome.

RESPONSÓRIO (Sl 74,19)

Protege a tua aliança, Senhor *
não esqueças a vida dos teus pobres.
– Protege a tua aliança, Senhor...

Não abandones às feras a vida da tua pomba
– não esqueças a vida dos teus pobres.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
– Protege a tua aliança, Senhor…

SILÊNCIO

Ant. Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem. (Mt 5,44)

Cântico de Maria NT 1 (Magnificat)

INTERCESSÃO

Cristo reconciliou-nos pela Sua morte
– para nos apresentar santos e irreprensíveis.

R. Nós te pedimos, Senhor.

Tu proclamaste bem-aventurados os que são perseguidos por causa do Teu nome:
sustém e alegra os cristãos hostilizados no mundo. R.

Tu enviaste os teus discípulos como ovelhas no meio dos lobos:
faz que as tuas ovelhas sejam pacíficas e sê sempre o seu pastor. R.

Tu profetizaste a perseguição aos teus enviados:
mantém a igreja vigilante e preparada para a prova. R.

Tu inspiraste a defesa dos teus discípulos:
envia o Teu Espírito sobre aquele que é insultado por Tua causa. R.

Tu pediste aos teus discípulos o amor aos inimigos:
faz que os crentes orem por aqueles que os perseguem. R.

Tu revelaste que o grão de trigo que morre dá fruto:
ajuda-nos a aceitar com alegria a morte por Tua causa. R.

Intercedamos ainda ao Senhor... (preces espontâneas)

ORAÇÃO

Oremos:

Ó Deus, fiel no amor,
que associas a Tua igreja à paixão de Cristo, Teu Filho,
concede aos nossos irmãos e às nossas irmãs
que sofrem perseguição por causa da sua fé em Ti
a bem-aventurança de quem sofre porque é cristão,
de modo que sejam testemunhas fiéis das tuas promessas.
Por Cristo, nosso Senhor.

– Ámen.

BÊNÇÃO

Bendigamos o Senhor.
– Graças a Deus.

 

(tradução dos salmos da Conferência Episcopal Portuguesa (SNL) e leitura do Apóstolo da Bíblia dos Capuchinhos).